Preciso esquecer um amor antigo

Posted on Posted in Sem categoria

Algumas pessoas me procuram com certo desespero. Estão ligadas a alguém emocionalmente e não conseguem esquecê-la nem com reza brava.
É uma espécie de obsessão por uma criatura que não pode ou não quer realmente estar com ela seja pelos motivos que forem. Alguém conhece essa história? Acho que de alguma maneira, mais pesada ou mais leve, todo mundo já passou por esse sentimento horroroso, de querer alguém que não pode ter, ou de ter sido ridiculamente enganado, traído por alguém que amava, ou achava que amava.
Às vezes a pessoa que me procura quer apenas uma palavra amiga ou uma orientação ou mesmo sente que precisa entrar em terapia.
Bom, como abordar este drama terrível?  Ninguém quer ser rejeitado, nem enganado, nem posto de lado.
Penso nesse assunto de vários ângulos e vou tentar organizar e expor um pouco meus pensamentos a respeito, colocando números.
1. Sempre que a gente pensa que vai ser muito feliz só quando fulano gostar da gente, estamos numa armadilha, num pensamento primitivo, achando que a outra pessoa tem esse poder de “nos fazer feliz”. Isso não existe. Temos que ser inteiros, curtir, amar quem somos APESAR dos nossos defeitos ou daquilo que nos incomoda, apesar de estarmos sozinhos. Temos que estar confortáveis dentro desse corpo e mente que chamamos de nosso. Isso é um trabalho que vale a pena seguir. Assim sendo, estar com outra pessoa será incrivelmente mais prazeroso do que depender do amor de alguém para estar bem. Esse tal “amor” onde um depende do outro, onde as personalidades se misturam a tal ponto de não existir mais duas mentes e dois corações, para mim é a morte de dois. Estar com alguém de forma saudável é estar unido e separado, depende do momento, condições, acordos. Estar com alguém é compartilhar interesses, ideias, valores, trocar experiências, apoiar um ao outro, incentivar, aprender com o outro, ceder, ouvir, se desculpar, treinar ser honesto, ser verdadeiro. É também aprofundar a capacidade de sentir prazer e entrega. Para mim é isso, então depender de outro para conseguir se valorizar é missão impossível. Se funcionar, é por pouco tempo.
2. Se alguém não consegue “virar a página”, é porque existe algo importante a ser resolvido. Um pensamento, uma crença infantil que precisa ser ajustada, reformada, ou transformada num pensamento mais realista, objetivo, atual. Por exemplo: por trás de uma dor profunda de rejeição pode haver um pensamento :  “se fulano não me quer, eu não tenho valor, sou um aborto da natureza”. Com esse pensamento girando na mente, até eu me jogaria da ponte. Mas ele está errado. Se alguém não nos deseja, deve ter uma fila de gente que nos deseJARIA se pelo menos fôssemos mais legais com a gente mesmo. Mas podemos ser cruéis, rígidos. Lançamos chicotadas atrás de chicotadas em nossas costas só porque x,y, z. Nada deveria tirar a nossa dignidade, nosso merecimento de vivermos da melhor maneira. Um dois possíveis pensamentos melhores é ” se fulano não me quer, é porque talvez nem eu me queira,  mas agora desejo querer, cuidar de mim, explorar coisas legais em mim”.
3. Ajuda saber também que podemos sim ser rejeitados. Ninguém tem obrigação de gostar da gente. As pessoas mais carismáticas, charmosas e atraentes que eu conheço, são pessoas que não se importam tanto com a rejeição. São autoconfiantes. É chato mas bola pra frente. Então neste caso o inimigo é a arrogância que diz:  ” eu não posso ser rejeitado, sou o Grande, o Maior e isso é inadmissível!”.  Na verdade eu posso sim, tem quem não goste e tem quem goste. Nem Jesus Cristo, (inteligente, amoroso, bonito) agradou a todos.
4.  Exigência. As vezes é tão imensa, que não há humano que seja suficiente. Tantos defeitos, tantos erros, será que somos tão falhos assim? A exigência direcionada para fora é a mesma direcionada para dentro. Se alguém exige muito do outro, exige e cobra muito de si mesmo. Pega leve, vamos olhar mais nossas qualidades, curtir nosso jeito de ser, humorizar nossos dramas.
5. Esqueci qual era.
6. Dizem que às vezes trazemos ligações de vidas passadas com outras pessoas. Eu não sei, não duvido, mas vai saber o que aconteceu. É hora de seguir adiante e um trabalho de auto perdão, aceitação de si mesmo é o melhor começo.
7. A pessoa traída se acha a vítima, mas os dois tem parte, sempre. Às vezes a “vítima” se trai o tempo todo. Trai a si mesma e trai o outro, não sendo verdadeira, não sendo quem é, não expondo seu mundo interno, não oferecendo tudo o que pode. Ela se anula, se abandona, se trai, trai a sua melhor parte. O outro lado pode não estar suportando estar se relacionando com uma máscara ou um protótipo e acaba – por falta de coragem de falar sobre ou encerrar o relacionamento – buscando mais emoções em outro lugar.  À solução começa em cada um olhar com cuidado a sua parte, olhar o problema sob vários pontos de vista, decidir ter uma vida melhor, se amando mais, rindo mais, perdoando mais, ousando mais, saindo mais da zona de conforto.
Se alguém não te ama, é porque não te conhece de verdade e talvez tenha sido você que não deixou-se conhecer.
Pensei em gravar uns vídeos de uns 3, 5 minutos falando de cada ponto acima. Quem quiser, deixe comentários e com certeza se inscreva na página para recebê-los no futuro.
Até mais, 
Graziela Bergamini 
www.grazielabergamini.com.br

2 thoughts on “Preciso esquecer um amor antigo

Comments are closed.