Como podemos ajudar os adolescentes?

Posted on Posted in Sem categoria

Estou aprendendo a ser mãe de adolescente. Uma nova fase, uma nova relação, uma nova mãe. Sendo psicóloga e trabalhando também com adolescentes, foi surgindo esse texto aos poucos, lá dos meus registros, estudos e experiencias.

Pais e mães não devem passar a ideia de serem perfeitos. Quanto mais imagem de perfeitos, mais nossos filhos vão se distanciar da gente. Não queremos gente perfeita por perto, queremos gente humana com acertos e erros, qualidades e defeitos. Podemos relaxar e mostrar quem somos, sermos honestos. Difícil ? Muito porque na maioria das vezes não somos honestos nem com a gente mesmo. Colocamos tantas poses na frente, que tirar tudo, dá o maior trabalho: pose de perfeita (o), pose de forte, pose de sabe tudo, pose de aguenta tudo, pose de vítima. Nada de propósito. É que a gente confunde o que realmente somos e o que a gente acha que temos que ser, num mundo supostamente ideal (grande tema para outro texto).

Nossos filhos adolescentes precisam de verdade, precisam de olho no olho, precisam ser vistos, precisam de atenção e precisam de limites. Precisam falar dos próprios sentimentos, das confusões mentais, dos medos aterrorizantes, da indignação com o mundo, do cansaço e do saco cheio da escola, das inseguranças, das dúvidas, da tristeza. Precisam falar sobre tudo isso, precisam ser ouvidos com respeito, num ambiente seguro, sem jamais serem ridicularizados pelos pais.

E mais ainda, eles precisam ouvir os seus pais falarem sobre a sua própria verdade. Precisam de pais reais, que admitem os proprios erros, os próprios medos e dúvidas. Precisam de pais que respeitam, que amam, que colocam limites, que são honestos, que admitem o que são, o que foram e um pouco do que aprenderam.

Adolescentes não suportam mentiras mas mentem, porque em suas casas, muitas vezes não existe espaço para a verdade. Os pais mentem, os filhos mentem. A verdade é bem vinda, talvez até a página 2. Até a página 2 vai ser então a rasa verdade.
A saída passa a ser as mentiras. E a responsabilidade é dos pais porque são as referências.

O adolescente quebra regras. Se a regra é estúpida (para ele), ele não vai seguir. Sua filha ou filho, não vai seguir algo sem nexo, só porque você impôs. . Eles vão mentir para poder viver, aprender, ter experiências, se conhecer, se testar. Depois vão se sentir culpados, vão boicotar a própria felicidade, vão sofrer porque traíram seus pais. Em outras famílias o adolescente vai obedecer tanto que começa a perder a sua identidade, estando sempre do lado das leis, por medo. Sem questionar, com zero amor próprio, vai ficando embotado, desbotado, sem vida. Poderá virar um robozinho da sociedade ou pior, pode entrar em depressão e sim, pode chegar a cometer suicídio.

Orientações são importantes, orientações são básicas. Clareza do que pode-se fazer e o que não pode. Até hoje tenho alguma dificuldade com isso porque novas orientações e questionamentos vão surgindo com as experiências e o debate é importante. Podemos rever junto com eles essas orientações. Um bom momento para conversar, olhar no olho, admitir que nem sempre se sabe o que fazer. Mas muitas vezes sabemos também. E quando sabemos, precisamos explicar em detalhes os motivos dessas orientações. Eles já podem entender, eles já tem alguns anos de vida, já sofreram, já viram sofrer. Eles entendem, em parte.

Mas eles vão nos decepcionar, vão nos frustrar vão “nos fazer” sentir maus pais. E nós como pais também vamos desaponta-los, assim que eles perceberem que não somos os pais ideais. Nunca somos. Somos humanos, buscando acertos.

Enquanto escrevo, penso o que estou fazendo certo, o quando ainda falta fazer, o quanto ainda questiono e sou fraca em alguns momentos.
O resumo é a verdade, o amor, a firmeza, a união e a inclusão. Vamos encarar o que é hoje e almejar com calma e humildade o que pode ser melhor.

Amo meus filhos, amo ser mãe, gosto dos desafios e torço para que atentemos muito mais para a força dos sentimentos e para a importância de expressarmos e falarmos abertamente sobre eles.

Sucesso a todos nessa empreitada!

Graziela Bergamini
Atendimentos online
Psicologia e Coaching
graziela.bergamini@gmail.com
graziela_psicocoach

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *